Pensar Nutrição – Combater a desinformação

Um tributo à memória de Emílio Peres

Pensar Nutrição e combater a desinformação – um tributo à memória de Emílio Peres

A Escola de Nutrição do Porto herdou uma forma de pensar própria. Pensamos a nutrição sem nunca esquecer os alimentos e as pessoas que os produzem e pensamos também muito sobre aqueles que gostariam de comer melhor, mas que não têm acesso a alimentos de qualidade. Por falta de capacidade económica, por falta de tempo ou de conhecimentos.

Esta capacidade de pensar o mundo através da alimentação é central no pensamento dos nutricionistas da FCNAUP e uma herança dos nossos pais fundadores que em 1976 tiveram a ousadia e a arte de criar a primeira Escola de Nutrição moderna em Portugal, onde se misturou, desde sempre o conhecimento técnico mais profundo com a sensibilidade social e ética hoje consagrada na terceira missão da universidade.

Por isso, quando decidimos criar o primeiro sítio de uma faculdade de nutrição dedicado exclusivamente a refletir sobre o estado da nutrição e alimentação em Portugal, não poderíamos deixar de prestar homenagem a um dos nossos mestres fundadores que pautou a sua ação, ao longo da sua vida académica e profissional, pela divulgação e popularização das ciências das nutrição.
Atualmente este desígnio é cada vez mais necessário. Tanto ou mais do que no passado. Se num passado recente, aquando dos primeiros tempos da FCNAUP, a maior parte da população tinha uma enorme escassez de informação científica sobre o que comer, hoje, a informação é excessiva embora permanecendo, de um modo geral, de muito má qualidade e fazendo ccom que cresça a desinformação e a informação importante permaneça pouco visível e de difícil acesso.

Mudam-se os tempos, permanece a necessidade de divulgar ciência de forma acessível que hoje a internet permite. Mas para além do advento da internet e das redes sociais, outro desafio se coloca. Hoje existem mais de 4000 nutricionistas e muito milhares de profissionais de saúde e não só, interessados no tema e a comunicar diariamente sobre nutrição, difundindo estes conceitos para toda a população. Também estes técnicos de saúde, jornalistas e interessados necessitam de fontes independentes e atualizadas, de pensar e refletir sobre nutrição.

Tarefa que nos propomos fazer, através dos nossos docentes, investigadores e alumni que constituem uma rede de massa crítica única a nível internacional, validados por um Conselho Editorial e Científico que acompanhará a produção dos nossos textos.

Desta forma cumpre-se um desígnio da Universidade, como espaço de cultura, de saúde e de humanidade. Obrigado a todos os académicos envolvidos e leitores que a partir de hoje constituem esta comunidade vibrante de pensamento crítico que tentaremos manter acesa no “Pensar Nutrição”.

Escrito por

prof pedro graça nutricionista
Pedro Graça

Pedro Graça Diretor da Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto |Website

More Articles for You

A FCNAUP apresenta um novo plano de estudos na formação dos Nutricionistas em Portugal

As reformas são permanentes ou devem ser permanentes no seio de instituições que refletem sobre elas próprias ao longo dos …

Índice glicémico, interesse renovado

O impacto na saúde dos alimentos que fornecem glícidos tem sido assunto de bastante discussão e até controvérsia, nomeadamente a …

Um ano de pandemia – um ano com as nutricionistas, alumni FCNAUP na linha da frente

Após um ano a viver com uma pandemia que mudou a nossa vida, faz sentido refletir sobre o que se …

O Plano de Recuperação e Resiliência e as questões esquecidas da nutrição

O Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) é um documento estratégico, onde estão identificadas reformas estruturais fundamentais para assegurar a …

Pensar criticamente sobre o que comemos – uma herança do Dr. Emílio Peres

Na próxima semana assinala-se o aniversário da 1ª aula de Alimentação Racional pelo Dr. Emílio Peres. Na comemoração deste ano, …

Orientação clínica da DGS para a terapêutica nutricional na COVID-19

No contexto da pandemia COVID-19, apesar da maioria dos doentes infetados com SARS-CoV-2 apresentar doença ligeira, estima-se que entre 6 …