Pensar criticamente sobre o que comemos – uma herança do Dr. Emílio Peres

Na próxima semana assinala-se o aniversário da 1ª aula de Alimentação Racional pelo Dr. Emílio Peres. Na comemoração deste ano, destacamos uma das vertentes pedagógicas mais importantes do Mestre, que se tornou intrínseca de tantas gerações – Pensar criticamente sobre o que comemos.

Muito mais importante do que debitar conhecimento de publicações ultra-recentes, “empoladas à categoria de milagre (mas em alimentação nada é bom fora de um enquadramento)” (1), ou de “transformar em notícia terrorista tudo o que se descobre de mau” (1), é o pensar crítico que nos permite aplicar conhecimento e ganhar avanço de dezenas de anos sobre a própria ciência.

Um exemplo:
Em 2017, Carlos Monteiro estabilizou a definição da classificação NOVA e para reconhecer os alimentos ultra-processados, refere que são “Ultra” pois são processados várias vezes, sendo muitas vezes formulações industriais, tipicamente com 5 ou mais ingredientes, com aditivos e substâncias como açúcares, óleos, gorduras, sal, antioxidantes, estabilizantes e conservantes.
Há mais de 20 anos, Emílio Peres chamava a atenção para a possibilidade de “ultrapassarmos uma fronteira toxicológica no que respeitava à presença de aditivos ou de resíduos nos alimentos, pelos vários processos de transformação ou processamento que sofriam”1. E alertava que: “a investigação epidemiológica contribui decisivamente mas muito tardiamente para o reconhecimento de efeitos nocivos de aditivos e outros inquinantes”. E de facto, só se publicou este mês, no prestigiado British Journal of Nutrition, cerca de 20 anos depois do alerta do Dr. Emílio Peres, a 1ª revisão sistemática com metanálise que avalia todos os estudos observacionais disponíveis entre o consumo de alimentos ultra-processados e o estado de saúde (pior perfil de risco cardiometabólico, maior risco de doença cardio e cerebrovascular, depressão e mortalidade por todas as causas).

Nesta semana de comemoração, o Dr. Emílio Peres continua a inspirar o pensamento da comunidade FCNAUPiana, desafiando “o próximo milénio para a mudança urgente, fundamental (e simples?): redescobrir a cultura perdida e criar a nova cultura posterior à crise.” (1).

Pensar criticamente sobre o que comemos - uma herança do Dr. Emílio Peres 5

(1) Emílio Peres, Manuscritos (1932-2003), BDNut.

Escrito por

Pedro Moreira 3
Pedro Moreira
Nutricionista, Professor Catedrático na Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto | Website

More Articles for You

5 Desafios para proteger a Dieta Mediterrânica

As sociedades da orla mediterrânica sempre foram sujeitas a mudanças ambientais, sociais, políticas e culturais e sempre estiveram em adaptação …

Ensaio – Para uma melhor compreensão dos fenómenos da fome e da insegurança alimentar

O estudo da fome e de todos os graus de insegurança alimentar deveria fazer parte do curriculum básico de todos …

25 anos de ensino de Política Nutricional em Portugal

O ensino de “Política Nutricional” iniciou-se na Universidade do Porto, no ano letivo de 1996/1997, no antigo Instituto Superior de …

Eleições legislativas de 2022 e as questões da alimentação e nutrição

A 27 de outubro de 2021, a proposta de Orçamento de Estado para 2022 foi chumbada na Assembleia da República. …

Tripas: Património cultural imaterial

Comemorar a gastronomia e estar atento às tradições alimentares locais é importante para beneficiar da identidade e coesão das populações, …

Balanços reais de um ano de COVID-19

A 19 de abril abrimos de novo as portas ao ensino presencial na nossa casa. Passou-se um ano debaixo do …